Tendência

Seis em cada dez empresas colocarão mais dinheiro no marketing em 2023

Publicado em

28/02/2023 14h37

Compartilhe
  • Whatsapp
  • Linkedin

Reduzir investimentos em mídia paga e expandir estratégias orgânicas, como marketing de conteúdo e SEO, são  tendências para este ano, segundo estudo

 

Uma pesquisa, com quase 400 profissionais, produzida pela Conversion com a consultoria Leap/KPMG, aponta que as áreas de marketing das empresas estão otimistas com 2023. Nela, seis em cada dez entrevistados (66%) disseram que terão mais recursos para investir em campanhas de marketing em suas organizações neste ano em comparação ao orçamento que tinham em 2022.

 

As perspectivas é que esses investimentos aumentem substancialmente: dentre essas empresas, um quarto (21%) afirmou que vai aumentar o dinheiro disponível para o marketing em pelo 25%, por exemplo.

 

“É uma sinalização inequívoca de que, apesar de alguns prognósticos negativos com a economia, as empresas estão se planejando com base em expectativas positivas para o ano. Não é à toa que, quando perguntamos para elas sobre o que esperam do país em 2023, as respostas também são majoritariamente otimistas”, observa Jana Ramos, Growth Manager na Leap KPMG.

 

O estudo ouviu 397 profissionais de marketing de diversas empresas e ramos do mercado entre dezembro de 2022 e janeiro deste ano. A margem de erro é de 5%.

 

Esse orçamento reforçado terá, como destinos principais, estratégias em marketing de conteúdo e de SEO, citados por 53% e 51% dos ouvidos na pesquisa como os canais que receberão mais investimentos, respectivamente.

 

Em 2023, as campanhas digitais vão focar na qualidade da mensagem e na experiência do usuário e  darão novamente o tom da comunicação das empresas com seus públicos.

 

Isso fica ainda mais claro quando mais da metade das empresas (53%) diz que pretende aumentar sua presença no Google, mais do que no Youtube (45%) e no Instagram (43%), rede social que penetrou em quase todos os negócios no Brasil nos últimos anos.

 

Para Diego Ivo, fundador e CEO da Conversion, essa tendência em direção ao Google revela a importância de métricas que iluminam o comportamento dos consumidores no buscador.

 

“É cada vez mais significativo entender o que as pessoas procuram e como fazem isso e, então, direcionar as estratégias de vendas nesse sentido. Um indicador como o Share of Search é um exemplo disso”, afirma ele.

 

Desafios de 2023

O crescimento do orçamento e o planejamento de marketing de 2023 tentarão dar conta de alguns desafios herdados dos últimos anos.

 

A maioria dos entrevistados (60%) admitiu que, hoje, a principal dificuldade de suas empresas é em gerar leads qualificados. Em seguida, eles elencam as tentativas de gerar mais tráfego orgânico (47%) e de ligar as estratégias de marketing com expansão nas vendas (42%).

 

A mídia paga, por exemplo, é uma das questões que também devem entrar na pauta de discussões em 2023. Hoje, 56% das empresas colhem seus principais resultados de marketing a partir desse tipo de estratégia, em que precisam desembolsar dinheiro para colocar uma campanha no ar.

 

O fato é que um terço delas (33%) pretende diminuir suas receitas com esse tipo de planejamento, reforçando, justamente, planos em marketing de conteúdo e SEO.

 

“O mercado parece estar interessado em explorar mais as ferramentas de marketing digital que conseguem ter mais aderência e precisão ao mesmo tempo. É por isso que há o esforço em melhorar as estratégias orgânicas”, conclui Ivo.

 

Confira também:

Investimentos em realidade virtual devem chegar a 7 bilhões de dólares até 2026, diz pesquisa da PwC

Confira as 8 tendências do RH para 2023

Estudo mostra que 93% dos brasileiros têm auxílio de algum tipo de inteligência artificial